AWS re:Invent 2018 – Nuvem de palavras e o que mais foi dito pelos Keynotes

Após uma semana intensa do re:Invent neste ano de 2018, saímos de Las Vegas com a cabeça cheia de ideias. Ainda no avião, voltando para o Brasil, nosso time confabulava: o que aconteceria se colocássemos a transcrição de tudo o que os keynotes falaram em uma nuvem de palavras? Quais seriam os termos mais relevantes? 

Pois bem, este artigo é o resultado desta “peripécia”: baixamos o áudio dos principais keynotes do evento (Andy Jassy, Werner Vogels e Peter DeSantis); utilizamos o Amazon Transcribe para transcrever o áudio em texto; passamos o texto em um processador que remove artigos e palavras “menos relevantes”; por fim, montamos uma nuvem de palavras. 

Basicamente, o que a nuvem de palavras faz é, obviamente, exibir um monte de palavras que existem no texto de origem. Porém, colocando em tamanho maior as palavras que mais se repetiram no texto. Desta forma, quanto maior a palavra na nuvem, mais ela foi repetida nos KeyNotes. 

Embora seja difícil especificar uma intensidade de correlação entre a relevância da palavra no contexto do keynote, com a sua relevância na nuvem de palavras, é fato que existe uma correlação. Não faz sentido um keynote ficar repetindo algo que não seja relevante para a mensagem que ele deseja transmitir. 

Bom, mas chega de explicação, vamos direto ao conteúdo. Primeiro, nós fizemos uma análise separada por KeyNote, e depois fizemos uma análise geral, unindo todas as transcrições dos três KeyNotes.

Andy Jassy – “Use Data” 

Tudo bem que ele não foi o primeiro keynote do evento, mas venhamos e convenhamos: CEO é CEO. Por isso, vamos começar por ele. Foi neste dia que os principais lançamentos da AWS ocorreram e que o posicionamento mais executivo da empresa foi estabelecido. Julgamos Andy o keynote mais importante, no geral. Vamos à sua nuvem de palavras: 

 

Ficamos impressionados com o resultado que encontramos. A nuvem de palavras é totalmente alinhada com a mensagem executiva dos lançamentos. Nós já comentamos em nosso artigo de resumo da fala de Andy Jassy, a quantidade de novidades e novos serviços envolvendo BigData, Analytics, Databases e, claro, Machine Learning. Todos estes serviços mostram o foco da AWS em serviços que envolvem dados, ou melhor, que os clientes utilizem estes dados para os seus negócios. Ficamos impressionados com o “Use Data”.

Werner Vogels – “Build, Service, Make”

Ficamos felizes com o primeiro resultado, mas nos empolgamos ainda mais com os a nuvem de palavras do Werner, CTO da Amazon.com. Ele que normalmente sobe ao palco com um foco mais voltado ao mundo dos desenvolvedores, ao mundo geek e de construção de novas soluções. Vamos à sua nuvem de palavras:

 

Nós contamos em nosso artigo tudo o que aconteceu na fala do CTO da Amazon.com. Quem leu, sabe que seu mote principal foi usando a palavra “Build”. Incentivando empresas e pessoas a construírem um novo futuro usando as tecnologias da AWS. Algo que foi retratado fielmente na nuvem de palavras.

Peter DeSantis – “Provide, Network, Instance”

Liderando o Monday Night Live do re:Invent, o VP Global de Infraestrutura da AWS, Peter DeSantis falou muito, como comentamos em nosso artigo, sobre a infraestrutura de rede da AWS, novas instâncias, etc. Vamos à sua nuvem de palavras:

Mais uma vez, o resultado foi muito bom. De fato, a sua fala serviu para mostrar o quanto a AWS é o melhor provedor global de nuvem pública, provendo, dentre outras coisas recursos computacionais (“instance”) e de conectividade (“network”). Muito interessante o resultado.

Juntando tudo, o que acontece? Dados.

A palavra de destaque absoluta é “Data”. Talvez você já esperasse por isso, assim como nós. Porém, o que foi surpresa pra nós foi o tamanho do destaque desta palavra em relação às demais. Veja:

Já há vários anos o mundo vem entendendo a importância e o valor que os dados possuem. Empresas têm procurado estruturar caminhos mais inteligentes e eficientes para gerar, armazenar, catalogar e utilizar os seus dados em seus negócios. Deste movimento é que termos como BigData, Analytics e Machine Learning passaram a ser tão relevantes.

Embora estes termos sejam realmente relevantes, poucas empresas ainda estão extraindo de fato o valor que seus dados possuem. A maior parte das corporações ainda sequer enxergam a pontinha do iceberg que os seus dados oferecem.

A AWS não só percebeu esse potencial, como vem trabalhando para oferecer serviços cada vez mais interessantes para permitir que outras empresas consigam fazer esta jornada de imersão em seus dados. Por isso, talvez, “data” seja uma palavra tão falada pelos principais executivos da gigante de Seatlle, nesta última semana de novembro, em Las Vegas.